Administração
Contribuição
Você pode contribuir com os Projetos Missionários do Pb Janio Batista através de depósitos na conta: Ag. 104 Conta Poupança 1840081 praça oito Centro Janio Batista - Missoes Deus te abençoe! - Missão
Visitas
2282 Visitantes
Redes Sociais

Feliciano pediu desculpas por frases consideradas racistas e homófobas; Veja como foi a primeira sessão da CDHM presidida por ele e marcada por tumultos
A primeira sessão da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados presidida pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP) foi marcada por tumultos e discussão entre parlamentares. Na abertura da reunião, Feliciano discursou dirigindo-se às pessoas que demonstraram estarem ofendidas com suas polêmicas declarações: “Neste momento importante para a nação brasileira, onde iniciamos os trabalhos deste ano, nesta douta comissão, peço a todos e a todas que se alguém se sentiu ofendido por alguma colocação minha, em qualquer época, peço as mais humildes desculpas e coloco meu gabinete à disposição para dirimir quaisquer dúvidas”, disse o pastor, de acordo com informações do G1. Os parlamentares petistas Erika Kokay (PT-DF) e o ex-presidente da CDHM Domingos Dutra (PT-MA) eram os mais exaltados e discutiram rispidamente com Marco Feliciano durante a sessão. O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) também se exaltou e discutiu com o pastor. “Acabou a bagunça nesta comissão. Agora, vai ter ordem”, disse o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que discutiu com Dutra. Numa matéria veiculada pelo Jornal Nacional, da TV Globo, foi mostrada o momento em que Dutra tenta agredir Bolsonaro e é impedido pelos colegas de parlamento, inclusive o próprio pastor Marco Feliciano. Para justificar sua exaltação, Dutra afirmou que estavam havendo provocações: “O presidente [Feliciano] está de comum acordo com o Bolsonaro, que fica instigando, debochando da bancada, levantando o dedo para a deputada Erika. Fica sentado na mesa diretora como se fosse presidente. Isso tudo tem limite. Uma comissão importante como a de direitos humanos passando por esse tumulto, então, é melhor extingui-la, porque toda sessão que tiver vai ser isso”, disse. Erika Kokay afirmou que havia autoritarismo por parte de Marco Feliciano, que teria “tomado a sessão de assalto” segundo ela, ao cassar a palavra dos presentes. Veja no vídeo abaixo: O Partido Social Cristão publicou nota em seu site destacando o clima tumultuado na sessão da CDHM e as definições que ficaram acertadas para os próximos dias: “A sessão foi interrompida várias vezes por conta da gritaria que se instalou no plenário da comissão, porém, Marco Feliciano manteve a serenidade, deu continuidade aos trabalhos da comissão e conseguiu a aprovação de sete importantes requerimentos. Entre eles, destacam-se quatro de autoria do próprio presidente, que buscam debater – junto com a sociedade e profissionais capacitados -, a melhoria das condições de vida e segurança dos moradores de rua, casos de violência e exploração sexual de crianças e adolescentes e a inclusão no mercado de trabalho, assegurando a igualdade de direitos e oportunidades, sem discriminação de cor, etnia ou procedência”, detalhou a nota assinada pela assessoria de comunicação do partido.